Banco Gafanhoto na Bienal de Design 2015

Bienal Brasileira de Design – 2015 Floripa escolheu para essa edição, de 15 de maio a 18 de julho, a temática DESIGN PARA TODOS. Tema que vem de encontro ao nosso; Por uma sociedade mais justa, mais verde e mais gostosa de se viver. Para todos!
A LAO foi selecionada para participar da exposição com o BANCO GAFANHOTO. Um banco-playground, com múltipla função, (lazer, recreação e ócio).
Ao incorporar recreação ela quebra o paradigma da função específica em um mobiliário urbano.
Levamos para um ambiente externo e público os conceitos de fisioterapia e terapia ocupacional através da recreação, possibilitando o usuário sair do ambiente fechado para a prática ao ar livre.
Nosso objetivo é aproximar e fazer interagir pessoas de diversas faixas etárias, condições físicas, culturais e sociais.

Nome do produto: Banco Gafanhoto
Empresa: LAO Design & Engenharia Sustentáveis
Cidade: Cotia – SP
Ano de lançamento: 2013
Designers (autoria do projeto): Ciça Gorski e Lao Napolitano
Materiais: Madeira (Cumarú) e perfis metálicos
Dimensões: 2,00 x 1,60 x 1,04 (altura)

Descrição

O que é essa peça? Um banco-brinquedo.

Quais são as suas funções? Os usuários podem utilizar de diversas formas: Se sentados, será como um banco. Se deitados com as costas apoiadas, será uma espreguiçadeira. Se deitados apoiados de barriga para baixo, será um equipamento suporte de recreação que deixa o tronco apoiado e braços livres para brincar.

Quais são os materiais empregados? Tubos de aço e madeira

Houve preocupação de atendimento à diversidade do ser humano (conceito de design para todos)? Sim

Qual o público-alvo? Usuários de todas as faixas etárias e inclusão de usuários paraplégicos.

O produto ou alguma de suas versões se dirige às classes C ou D? Se dirige a todas as classes, por ser um produto destinado a parques e praças públicas e particulares.

Destina-se a uso individual ou coletivo? Se for uso coletivo, explique as condições em que isso se dá. Individual e coletivo. Ao combinar o banco Gafanhoto com outro(s) banco(s) Gafanhoto surge a possibilidade de iteração de usuários.

Como é, em síntese, o processo de fabricação? Envolvem três frentes de trabalho: serralheria, marcenaria e pintura. Na serralheria, são cortadas e soldadas todas as peças que comporão a estrutura. Acabada esta etapa, a peça é submetida a pintura. Na sequência são cortados e parafusados os deques de madeira sobre a estrutura metálica. Por fim é dado o acabamento, onde há preocupação em eliminar todos os cantos vivos arredondado suas quinas.

Quais foram, em síntese, as intenções e desafios do projeto? Desenvolver um produto inclusivo, atraente para todas as pessoas, de baixo custo e baixa manutenção.

O que motivou você ou sua empresa a essa criação? Quando fomos chamados a participar da criação do projeto Anna Laura Parque para Todos, por convite do Rudi (fundador presidente), topamos na mesma hora pois tem tudo a ver com os nossos princípios e ideais. Nossa missão é contribuir para um mundo melhor através de iniciativas de lazer e recreação. Projetamos produtos que valorizam a conquista da cidadania e do auto desenvolvimento, fortalecendo a diversidade e qualificação do ser humano.

Quais foram os principais desafios ocorridos durante o desenvolvimento do projeto? Equacionar função, estética e inclusão.

Inspiração? Natureza

Características? A peça possui um assento, projetado para que um cadeirante possa fazer a transposição de sua cadeira de rodas para o equipamento. Assim que sentado pode debruçar-se sobre o respaldo inclinado, que têm inclinação e alças laterais que promovem segurança e facilidade para que o usuário possa arrastar-se até o topo, proporcionando liberdade para os braços.

Quais os diferenciais e os aspectos inovadores da sua peça? Esta peça tem múltipla função, (lazer, recreação e ócio) o que a torna atraente para um público diverso. Ao incorporar recreação ela quebra o paradigma da função específica em um mobiliário urbano. Inovamos também ao levar para um ambiente externo e público os conceitos de fisioterapia e terapia ocupacional através da recreação, estamos dando a possibilidade de sairem de um ambiente fechado para a prática ao ar livre.

Qual a visão ou o desejo que embasa o seu projeto? Que o moveu nesse projeto?Quando projeto um produto penso em como ele pode ser uma ferramenta para que as pessoas se desenvolvam, tirem partido dele em todos os níveis: social, físico e espiritual. O produto é um meio e não o fim do processo que almejo. Espero com este banco aproximar e fazer interagir pessoas de diversas faixas etárias, condições físicas e sociais.